La consommation durable et le comportement du consommateur brésilien
Diógenes Carvalho
Universidade Federal de Goiás
Vitor Hugo do Amaral Ferreira
Universidade Federal do Rio Grande do Sul
PDF

Como Citar

Carvalho, D., & do Amaral Ferreira, V. (2019). La consommation durable et le comportement du consommateur brésilien. Revista Científica Disruptiva, 1(1), 18-36. Recuperado de http://revista.cers.com.br/ojs/index.php/revista/article/view/19

Resumo

O objetivo deste artigo é refletir sobre o conceito de "consumo sustentável", considerando as influências emocionais, culturais e morais que afetam o processo decisório de compras. Optamos por um modelo de consumo sustentável que conceba a possibilidade de ações e intervenções estatais, de modo a dissipar a estratégia comum baseada na transferência da atividade reguladora (responsabilidade) do Estado e das empresas produtoras e distribuidoras para o indivíduo consumidor. Para tanto, destacamos aspectos da cultura presentista em que repousa a sociedade atual, em especial o Brasil, identificando o egoísmo da perda e o desinteresse com as despesas futuras. Notamos a necessidade sentida pelos indivíduos para justificar a aquisição de bens, demonstrando a clara conexão entre consumo e moralidade. Além disso, abordamos um aspecto biológico do indivíduo no ato de consumação: o defeito emocional no cérebro pelo qual tendemos a exagerar os ganhos imediatos. Diante desse cenário, o consumo sustentável adquire formas que vão além das mudanças comportamentais dos indivíduos por meio das informações e da educação e das mudanças no design do produto. O consumo sustentável tende a exigir ações do Estado que afetam a produção e a seleção de produtos ecologicamente sustentáveis, com a ajuda do poder legal, reprimindo escolhas prejudiciais ao meio ambiente, e da população, a longo prazo, com ações individuais comprometidas com a moral pública.

PDF

Referências

ALCOFORADO, Manoel Guedes; SILVA, Paulo Roberto. Reflexão sobre o estilo de vida e o padrão de consumo numa sociedade sustentável. In: II SBDS – SEMINÁRIO BRASILEIRO DE DESIGN SUSTENTÁVEL, 2009, São Paulo. Anais do 2° Seminário Brasileiro de Design Sustentável - RBDS. São Paulo: s. ed., 2009.


ANDRADE, Nelson Luís Sampaio de. Consumo sustentável. Justitia, São Paulo, n. 59 (181/184), jan./dez. 1998. Disponível na Internet em: . Acesso em 16 abr. 2011.
AZEVEDO, Plauto Faraco de. Ecocivilização: Ambiente e direito no limiar da vida. São Paulo: RT, 2008.


BARBOSA, Lívia; CAMPBELL, Colin. Cultura, consumo e identidade. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006.


BAUMAN, Zygmunt. Vida para consumo: a transformação das pessoas em mercadorias. Tradução de Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Zahar, 2008.


BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 1988.


CARVALHO FILHO, José dos Santos. Manual de Direito Administrativo. 23. ed. rev. e atual. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2010.


COELHO, Cristiano; HANNA, Elenice Seixas; TODOROV, João Claudio. Magnitude, atraso e probabilidade de reforço em situações hipotéticas de risco. Psicologia: Teoria e Pesquisa, v. 19, n. 3, p. 269-278, 2003.


DIEGUES, Antonio Carlos S. Desenvolvimento sustentável ou sociedades sustentáveis: da crítica dos modelos aos novos paradigmas. São Paulo em Perspectiva, n. 1-2, jan./julho 1992. Disponível na Internet em: . Acesso em 18 abr. 2011.


FURRIELA, Rachel Biderman. Educação para o consumo sustentável. In: CICLO DE PALESTRAS SOBRE MEIO AMBIENTE, Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC; SEF, 2001. P. 47-56


GABARDO, Emerson. Eficiência e Legitimidade do Estado. Barueri: Manole, 2003.
KARGEL, Aleli Mirelman. Sucesos Puntuales. Disponível na Internet em . Acesso 20 abr. 2011.


KIRBY, K. N.; MARAKOVIC, N.N. Modeling Myopic Decisions: Evidence for Hyperbolic Delay-Discouting within Subjects and Amounts. Organizational Behavior and Human Decision Processes, v.64, n.1, p.22-30, 1995.


LEHRER, Jonah. O momento decisivo. Tradução de Marcelo Schild. Rio de Janeiro: Best Business, 2010.


MACÊDO, Kátia Barbosa. Cultura, poder e decisão na organização familiar brasileira. RAE-eletrônica, São Paulo, vol. 1, n. 1, jan-jun/2002. Disponível na Internet em: . Acesso em 18 abr. 2011.


MAZUR, James E. An adjusting procedure for studying delayed reinforcement. Commons, ML.; Mazur, JE.; Nevin, JA, p. 55-73, 1987.


OLIVEIRA, M.; JESUS, F. Arquitetura situacional do crédito: tempo, cognição, afeto e decisão. Revista Crítica de Ciências Sociais - 101/2013, colocada online no dia 17 de fevereiro 2014. Disponível em http://rccs.revues.org/5356; DOI:104000/rccs.5356.


PEDROSO, Reginaldo. Valor subjetivo do consumo sustentável. Goiânia:PUCGO. 2016. 207f. Tese (Doutorado em Psicologia) - Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Pontifícia Universidade Católica de Goiás, Goiânia. 2016.


PEDROZA, Rejane Guedes. Vida para consumo: a transformação das pessoas em mercadoria. Disponível na Internet em . Acesso em 20 abr. 2011.


PLACHA, Gabriel. A atividade regulatória do Estado. Dissertação (Mestrado em Direito) – Faculdade de Direito, Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Curitiba, 2007. Disponível na Internet em . Acesso em 18 abr. 2011.


PORTILHO, Fátima. Consumo Sustentável: Limites e possibilidades de ambientalização e politização das práticas de consumo. Cadernos EBAPE, Rio de Janeiro, FGV, Edição Temática 2005.


PRELEC, Drazen; LOEWENSTEIN, George. The red and the black: Mental accounting of savings and debt. Marketing Science, v. 17, n. 1, p. 4-28, 1998.


RACHLIN, Howard; RAINERI, Andres. Irrationality, impulsiveness, and selfishness as discount reversal effects. Choice over time, p. 93-118, 1992.


RECH, Gustavo. Responsabilidade da pessoa jurídica fabricante de embalagens de PET na relação pós-consumo: uma contribuição para o desenvolvimento sustentável. Disponível na Internet em . Acesso em 20 abr. 2011.


ROSSETI, Regina; GIACOMINI FILHO, Gino. Comunicação, consenso social e consumo sustentável. Comunicação, mídia e consumo, São Paulo, vol. 7, n . 18, p. 153 – 169, mar. 2010.


SANTOS; Luciane Lucas dos. Comunicação e consumo sustentável: das entrelinhas do capitalismo leve ao enquadramento da sustentabilidade na mídia. Revista fronteiras. VII (3):223-233, Setembro/Dezembro 2005.


______. O enquadramento midiático da sustentabilidade e o papel da mídia na assimilação social do consumo sustentável. In: XXIX Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, Brasília, 2006. Anais do XXIX Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação.


SILVA, José Afonso da. Direito Constitucional Positivo. Malheiros: São Paulo, 1989.


SORRENTINO, Marcos; TRAJBER, Rachel; MENDONÇA, Patrícia; FERRARO JUNIOR, Luiz Antonio. Educaçãotodorov ambiental como política pública. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 2, p. 285-299, maio/ago. 2005.


TADEU, Silney Alves. As dimensões do consumo: reflexões para uma teoria compreensiva. Revista de Direito do Consumidor. São Paulo, n. 56, p. 202-219, out./dez. 2005.


VIDIGAL; Carlos Eduardo. A nova ordem mundial. In: OLIVEIRA; Henrique Altemani;


LESSA; Antônio Carlos. Política Internacional Contemporânea: Mundo em transformação. São Paulo: Saraiva, 2006
Copyright (c) 2019 Revista Disruptiva