Culturalismo e subjetividade das relações de trabalho
Oton de Albuquerque Vasconcelos Filho
Faculdade CERS
https://orcid.org/0000-0002-5043-286X
Moacir Barbosa Morais
Maria Catarina Barreto de Almeida Vasconcelos
https://orcid.org/0000-0003-2451-0323
PDF

Palavras-chave

Estado de Pernambuco. Precarização. Relações de Trabalho. Setor de Produção Têxtil. Superexploração do Trabalho.

Como Citar

Vasconcelos Filho, O., Morais, M., & Vasconcelos, M. C. (2019). Culturalismo e subjetividade das relações de trabalho. Revista Científica Disruptiva, 1(1), 113-131. Recuperado de http://revista.cers.com.br/ojs/index.php/revista/article/view/25

Resumo

O presente artigo, que versa sobre a temática da exploração do trabalho humano, analisa, no ambiente de produção e confecção têxtil, que movimenta boa parte da economia do Estado de Pernambuco, a existência de condições precarizadas de trabalho devidas à ausência de efetivos mecanismos de tutela para as pessoas que laboram nessa área. Este trabalho almeja discutir a problemática do novo contexto das relações de trabalho, que tem proporcionado novas formas de exploração do labor através da imposição de condições precárias ao trabalhador destacando em tal análise o cenário de superexploração no setor de produção têxtil do agreste de Pernambuco. O estudo se desenvolveu pela via da revisão de literatura, a partir de títulos contidos nas bases de dados SciELO, Capes, Bibliotecas Virtuais. Através do método dedutivo foi considerada realidade de exploração do labor como um fator de influência na possibilidade de geração de crises na sociedade e foi possível identificar uma nova cultura do trabalho dotada de subjetivismo e particularidades no Brasil sendo o setor de produção têxtil do agreste do Estado de Pernambuco vítima de novos meios de aproveitamento abusivo da força de trabalho. Diante desse contexto, resta evidente a necessidade de encontrar novos horizontes protetivos nas relações de trabalho em adaptação ao sistema de produção capitalista que tem como marca a flexibilização das relações de trabalho.

PDF

Referências

ANAMATRA, Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho. Total de ações trabalhistas cai mais de 90%. 2017. Disponível em: https://www.anamatra.org.br/imprensa/anamatra-na-midia/25913-total-de-acoes-trabalhistas-cai-mais-de-90. Acesso em: 25 maio 2019.


ANDRADE, Everaldo Gaspar Lopes de. D’ANGELO, Isabele Bandeira de Moraes. Direito do Trabalho e teoria social crítica: um diálogo indispensável entre este campo do direito e os demais saberes sociais. Revista Brasileira de Sociologia do Direito, v. 3, n. 1, jan./abr 2016. Disponível em: http://www.egov.ufsc.br/portal/sites/default/files/49-314-1-pb.pdf. Acesso em: 25 maio 2019.


ANTUNES, Ricardo. Os exercícios da subjetividade: as reificações inocentes e as reificações estranhadas. CADERNO CRH, Salvador, v. 24, n. spe 01, p. 121-131 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ccrh/v24nspe1/a09v24nspe1.pdf.. Acesso em: 25 maio 2019.


ANTUNES, Ricardo; PRAUN, Luci. A sociedade dos adoecimentos no trabalho. Serv. Soc. Soc., São Paulo, n. 123, p. 407-427, jul./set. 2015. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/0101-6628.030. Acesso em: 25 maio 2019.


ANTUNES, Ricardo. Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. São Paulo: Boitempo, 2009.


BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil, de 5 de outubro de 1988. Disponível em: www.planalto.gov.br. Acesso em: 25 maio 2019.

BRASIL. Decreto-Lei nº 5.452, 1º maio de 1943. Consolidação das Leis do Trabalho. In: Vade mecum. São Paulo: Saraiva, 2016.


BRASIL. Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940. Código Penal. In: Vade Mecum. São Paulo: Saraiva, 2016.


BRASIL. Lei 13.467 de 13 de julho de 2017. Altera a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo Decreto-Lei no 5.452, de 1o de maio de 1943, e as Leis nos 6.019, de 3 de janeiro de 1974, 8.036, de 11 de maio de 1990, e 8.212, de 24 de julho de 1991, a fim de adequar a legislação às novas relações de trabalho. Disponível em: https://www.planalto.gov.br. Acesso em: 25 maio 2019.


CASTANHO, Willian. Supremo já tem 18 ações contra reforma trabalhista. Folha de São Paulo, 18.fev.2018. Disponível em: http://www.otempo.com.br/capa/economia/supremo-j%C3%A1-tem-18-a%C3%A7%C3%B5es-contra-reforma-trabalhista-1.1575342. Acesso em: 25 maio 2019.


COMPARATO, Fábio Konder. A afirmação histórica dos direitos humanos – 6. ed. rev. e atual. – São Paulo: Saraiva, 2008.


GOHN, Maria da Glória. Movimentos sociais na contemporaneidade: A relação movimentos sociais e Educação. Revista Brasileira de Educação. v. 16, n. 47, p. 333-361, maio/ago., 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v16n47/v16n47a05.pdf. Acesso em: 25 maio 2019.


KREIN, José Dari. As transformações no mundo do trabalho e as tendências das relações de trabalho na primeira década do século XXI no Brasil. Revista NECAT, Ano 2, nº 3, jan./jun. de 2013. Disponível em: http://stat.necat.incubadora.ufsc.br/index.php/necat/article/view/2785/3313. Acesso em: 25 maio 2019.


LINHART, Danièle. La comédie humaine du travail: de la déshumanisation taylorienne à la sur-humanisation managériale. Toulouse, France: Éditions Érès, 2015.


MAGALHÃES, Aline Carneiro; MIRANDA, Iúlian. A greve como direito fundamental: características e perspectivas trabalhista-administrativas. Rev. Trib. Reg. Trab. 3ª Reg., Belo Horizonte, v.56, n.86, p.53-76, jul./dez. 2012. Disponível em: http://www.trt3.jus.br/escola/download/revista/rev_86/aline_carneiro_magalhaes_e_iulian_miranda.pdf. Acesso em: 25 maio 2019.


MARX, Karl. O capital: Crítica da Economia Política. O processo de produção do capital. São Paulo: Abril Cultural, v. 1, tomo 2, 1984.


REIS, Amanda Madeira. A flexibilização das leis trabalhistas no Brasil como pressuposto para o desenvolvimento econômico do país. Dissertação (Programa Stricto Sensu em Direito) - Universidade Católica de Brasília, Brasília, 2017.


SANTOS, Boaventura de Sousa. As bifurcações da ordem: revolução, cidade, campo e indignação. 2017.


SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS (SEBRAE), Relatório: Estudo econômico doarranjo produtivo local de confecções do agreste pernambucano, 2012. Recife, 2013. Disponível em: https://www.sebrae.com.br/Sebrae/Portal%20Sebrae/Anexos/Estudo%20Economico%20do%20APL%20de%20Confeccoes%20do%20Agreste%20%20%2007%20de%20MAIO%202013%20%20docx.pdf. Acesso em: 25 maio 2019.


SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS (SEBRAE), Relatório: Estudo econômico do arranjo produtivo local de confecções do agreste pernambucano. Recife, 2013.


SINAIT, Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais do Trabalho. Pólo de confecções do Agreste de Pernambuco é alvo de fiscalizações. Publicado em 15 de março de 2013. Disponível em: https://www.sinait.org.br/site/noticia-view?id=7056%2Fpolo-de-confeccoes-do-agreste-de-pernambuco-e-alvo-de-fiscalizacoes. Acesso em: 25 maio 2019.


TAVARES, Maria Augusta. O trabalho informal e sua suposta autonomia: uma modalidade flexível de exploração. Revista Direitos, Trabalho e Política Social, v.1, n.1, jul./dez. p.39-58. Disponível em: http://revista91.hospedagemdesites.ws/index.php/rdtps/article/view/3/3. Acesso em: 25 maio 2019.


VALENCIA, Adrian Sotelo A reestruturação do mundo do trabalho: superexploração e novos paradigmas da organização do trabalho. Uberlândia: EDUFU, 2009.


VASAPOLLO, Luciano, O trabalho atípico e a precariedade. São Paulo, Expressão Popular, 2005.
Copyright (c) 2019 Revista Disruptiva