A interação entre os profissionais do direito e as partes por meio da linguagem jurídica e sua contribuição para democratização do processo
PDF
HTML

Como Citar

Catharina, A., & de Souza Ramos, C. (2020). A interação entre os profissionais do direito e as partes por meio da linguagem jurídica e sua contribuição para democratização do processo: uma análise empírica. Revista Científica Disruptiva, 2(1), 23-36. Recuperado de http://revista.cers.com.br/ojs/index.php/revista/article/view/65

Resumo

O presente trabalho tem como objetivo analisar a interação entre profissionais do direito e as partes na formulação da demanda e como esta interação se desdobra no decorrer de um processo judicial. Neste contexto, refletir sobre a linguagem jurídica é fundamental para se ampliar as pesquisas sobre amplo acesso à justiça e a democratização do processo.  Para se atingir o objetivo proposto, o trabalho propõe uma análise comparada entre dados coletados em duas pesquisas empíricas realizadas com no Núcleo de Atendimento dos Juizados Especiais, com estagiários do curso de Direito, em 2018, e com advogados atuantes em diversas áreas, no ano de 2019. Pretendeu-se verificar como se desenvolve a interação das partes (autores) com os profissionais do direito, especificamente advogados e estagiários, durante o processo de elaboração da petição inicial. A partir dos dados coletados, analisou-se os impactos da interação entre os profissionais de direito e as partes e sua contribuição para a democratização do processo civil e para o amplo acesso à justiça, nos termos propostos pelo CPC/2015 e da Constituição Federal de 1988. A metodologia de pesquisa utilizada no trabalho é qualitativa, com ênfase em entrevista com os atores envolvidos no processo de formulação da petição inicial. A abordagem dos dados será realizada pelo método indutivo de análise.

PDF
HTML

Referências

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República, [2016]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: maio 2019.

BRASIL. Lei 9.099 de 26 de setembro de 1995. Dispõe sobre os Juizados Especiais Cíveis e Criminais. Diário Oficial da União, Brasília. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9099.htm. Acesso em: maio 2019.

BRASIL. Lei 13.105 de 16 de março de 2015. Institui o Código de Processo Civil. Diário Oficial da União, Brasília, 17 de março de 2015. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13105.htm. Acesso em: maio 2019.

CATHARINA, Alexandre de Castro. A Perspectiva Democratizante do Direito Processual Civil Brasileiro e seus impactos na Cultura Jurídica Processual estabelecida. In: Direito, Filosofia e Processo. Juiz de Fora – MG: Editar, 2015.

CATHARINA, Alexandre de Castro. Ensino Jurídico e Cultura Jurídica Processual: breves reflexões sobre o ensino do Direito Processual Civil na vigência do CPC/2015. Revista Interdisciplinar de Direito, [S.l.], v. 15, n. 2, p. 177-186, abr. 2018. ISSN 2447-4290. Disponível em: http://revistas.faa.edu.br/index.php/FDV/article/view/300. Acesso em: 20 jun. 2020.

CATHARINA, Alexandre de Castro. Movimentos sociais e a construção dos precedentes judiciais. Curitiba: Juruá, 2015.

MOREIRA, José Carlos Barbosa. O neoprivatismo no processo civil. In: Temas de direito processual. Nona Série. São Paulo: Saraiva, 2007.

NUNES, Dierle José Coelho. Processo jurisdicional democrático: uma análise crítica das reformas processuais. Curitiba: Juruá, 2012.

ROCHA, Maria Vital da; MAPURUNGA, Lara Dourado. A Pesquisa Jurídica em um Contexto Pós-moderno: Uma Abordagem Sociológica. Revista Nomos. UFC, v.37, n. 2 (2017). Disponível em: http://www.periodicos.ufc.br/nomos/article/view/20359/0. Acesso em: mar. 2019.

OSNA, Gustavo. Processo civil, cultura e proporcionalidade: análise crítica da teoria processual. RT, 2017.

REOLON, Suzana Minuzzi. A linguagem jurídica e a comunicação entre o advogado e seu cliente na atualidade. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/fadir/article/viewFile/9101/6347. Acesso em: 01 ago. 2018.

SANTANA, Samene Batista Pereira. A linguagem jurídica como obstáculo ao acesso à justiça. Uma análise sobre o que é o Direito engajado na dialética social e a consequente desrazão de utilizar a linguagem jurídica como barreira entre a sociedade e o Direito/Justiça. Revista Âmbito Jurídico. Outubro, 2012. Disponível em: https://ambitojuridico.com.br/edicoes/revista-105/a-linguagem-juridica-como-obstaculo-ao-acesso-a-justica-uma-analise-sobre-o-que-e-o-direito-engajado-na-dialetica-social-e-a-consequente-desrazao-de-utilizar-a-linguagem-juridica-como-barreira-entre-a/. Acesso em: 20 jun. 2020.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Introdução à Sociologia da Administração da Justiça. In: FARIA, José Eduardo. Direito e justiça - A função social do judiciário. São Paulo: Editora Ática, 1994.

SOARES, Marcelo Negri; COUTO, Monica Bonetti; COSTA, Jéssica Chaves. Dever de Fundamentação E Precedentes no Novo CPC: uma Análise à Luz do Modelo Constitucional de Processo. Revista Eletrônica do Curso de Direito da UFSM, v.13 número 2/2018. Disponível em: www.ufsm.br/revistadedireito. Acesso em: mar. 2019.