Multiparentalidade
Giorge Andre Lando
Universidade de Pernambuco - UPE
Lucas Emmanuel Fortes dos Santos
Centro Universitário de Ciências e Tecnologia do Maranhão - UniFacema
PDF

Palavras-chave

Direito. Família multiparental. Parentesco socioafetivo. Reconhecimento biológico. Sucessão.

Como Citar

Lando, G., & Santos, L. (2019). Multiparentalidade. Revista Científica Disruptiva, 1(1), 37-58. Recuperado de http://revista.cers.com.br/ojs/index.php/revista/article/view/7

Resumo

O parentesco já não se restringe ao campo da consanguinidade dada a inaptidão desta para definir as relações estabelecidas entre indivíduos. O determinismo biológico, por si só considerado, gera visão reducionista e inacabada do parentesco, não agregando em seu arcabouço, a potencialidade da afeição. O artigo tem por objetivo discorrer acerca dos efeitos sucessórios decorrentes da concomitância entre o parentesco socioafetivo e o reconhecimento biológico no âmbito da família multiparental. Tratar-se-á de uma pesquisa descritiva-exploratória, de abordagem qualitativa, desenvolvida por meio da técnica bibliográfica e de análise documental. Amultiparentalidade constitui formatação familiar que possibilita a coexistência dos aspectos biológicos e afetivos da parentalidade, gerando assim, repercussões no âmbito sucessório que desafiam o legislador civilista, bem como a delimitação dos efeitos jurídicos daí advindos. Deste modo, nos julgados pátrios, os tribunais procedem cada vez mais ao reconhecimento do afeto, a fim de estabelecer o tratamento sucessório cabível. Nesse desenho, pretende-se evidenciar as dificuldades concretas nascidas em razão da desbiologização do parentesco, no que tange à transmissão patrimonial. Não somente isto, busca-se traçar possibilidades de resolução das problemáticas sucessórias advindas deste fenômeno de concomitância parental, vez que o Código Civil vigente é omisso quanto ao tema, fazendo com que surjam situações de desproporcionalidade e de ataque à dignidade da pessoa humana na herdação de bens do de cujus.

PDF

Referências

BARBOZA, H. H. Efeitos jurídicos do parentesco socioafetivo. Revista da Faculdade de Direito da UERJ-RFD. v.2, n. 24, p. 111-125, 2013.


BENVENUTO, F. M; GOMES, L. G. C. Direito de família: Do princípio da afetividade nas relações familiares como efetivação dos direitos da personalidade do transexual. Curitiba: Editora Clássica, 2014.


BERTANI, B. C; SCHAUREN, M. L. Registro civil de filhos oriundos de famílias multiparentais. Revistas destaques acadêmicos, Lajeado, v. 5, n.2, p. 65-78, 2013.


BOENTE, L. M. A proteção da autonomia na formação de novas entidades familiares pela regulação normativa. Salvador, 2012.


CATEB, S. A. Direito das Sucessões. São Paulo: Atlas. 7ª edição, 2012.


________. Código Civil comentado. São Paulo: Atlas, 2003. v. 16.


COHEN, A. C. T. S; FELIX, J. M. Multiparentalidade e Entidade Familiar: Fundamento Constitucional e Reflexos Jurídicos. Caderno de Graduação Ciências Humanas e Sociais-FITS, v. 1, n. 3, p. 23-38, 2013.


DIAS, M. B. Manual de direito das famílias. 10. ed. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2015.


FRISON, M. F. O pluralismo familiar e a mutação constante do formato de família: a constitucionalização do direito civil e dimensões do concubinato na promoção da dignidade da pessoa humana. Pouso Alegre, 2012.


JÚNIOR, L. A. N; JANNOTTI, C. C; SOUZA, I. A.; CORRÊA, W. E. R. Averbação da sentença de multiparentalidade: aplicabilidade. Belo Horizonte, 2013.


LOBO, P. L. N. Socioafetividade: o estado da arte no Direito de família brasileiro. Revista Jurídica Luso Brasileira. n. 1, p. 1.743-1.759, 2015.


MADALENO, R. Curso de direito de família/Rolf Madaleno. - 51 ed. rev., atual. e ampl. - Rio de Janeiro: Forense, 2013.


MALUF, C. A. D; MALUF, A. C. R. F. D. A família na pós-modernidade: aspectos civis e bioéticos. Revista da Faculdade de Direito. Universidade de São Paulo, v. 108, p. 221-242, 2013.


MARTINS, B. G.; TAMAOKI, F. J. Dos princípios aplicáveis ao direito de família. Revista ETIC. v. 10, n. 10, 2014.


MENIN, M. M.; FERREGUTTI, J. C; MORANDIN, J. V. Quem é o pai? Os critérios determinantes para o
estabelecimento do vínculo paterno-filial. Revista Estudos Jurídicos e Interdisciplinares. v. 10, n. 1, p. 70-79, 2015.


MOCELIN, F. M; WELTER, I. P. A filiação socioafetiva e a possibilidade de multiparentalidade no ordenamento jurídico pátrio: busca pelo melhor interesse da criança e do adolescente. Revista do Curso de Direito UNITAS. n.1, p. 1-25, 2016.


NICODEMOS, E. C. Novos Formatos Familiares e a Nova Filiação a partir da Constituição de 1988. Revista Científica Virtual da Escola Superior de Advocacia da OAB-SP. São Paulo, n.18, p. 86 - 99, 2014. Disponível em: . Acesso em: 20 de mar. de 2017.


OLIVEIRA, M. B; FIORENZA, Y. A evolução das relações familiares e a desbiologização da paternidade. Revista Unioeste, vol. 13, n. 18, p. 173-204, 2011.


PELEGRINA, M. E. R. A família da atualidade. Revista Científica Virtual da Escola Superior de Advocacia da OAB-SP. São Paulo, n.18, p. 8 - 19, 2014. Disponível em: . Acesso em: 20 de mar. de 2017.


PEREIRA, C. M. S. Instituições de Direito Civil. 23 ed. Rio de Janeiro: Forense, 2012.


PESSANHA, J. F. A afetividade como princípio fundamental para a estruturação familiar, 2011.


QUADRA, A. L. V. et. al. Melhor interesse de quem? Revista ETIC. v. 11, n. 11, 2015.


QUEIROGA, A. E. Curso de Direito Civil - Direito das Sucessões. Rio de Janeiro: Renovar, 2012.


RIZZARDO, A. Direito das sucessões. Rio de Janeiro: Forense, 2014.


SHIKICIMA, N. S. Sucessão dos ascendentes na multiparentalidade: uma lacuna da lei para ser preenchida. Revista Científica Virtual da Escola Superior de Advocacia da OAB-SP. São Paulo, n.18, p. 68 – 79, 2014. Disponível em: . Acesso em: 20 de mar. de 2017.


SIMÕES, M. F. S; LEITE, V. A. S; TOLETO, I. R. Multiparentalidade: a intrincada relação entre a realidade familiar e o enunciado normativo, analisada à luz do direito posto e do direito pressuposto. Revista em tempo, Marília, v.14, p 169-185, 2015.


TARTUCE, F. Manual de direito civil: volume único / Flávio Tartuce. 6. ed. rev., atual. eampl. - Rio de Janeiro: Forense; São Paulo: MÉTODO, 2016.


TEIXEIRA, A. C. B. et. al. A Multiparentalidade como Nova Estrutura de Parentesco na Contemporaneidade. Revista Brasileira de direito civil, v. 4, 2015.


TRENTIN, T. R. D. et. al. Multiparentalidade nas famílias recompostas e a parentalidade socioafetiva. Revista Fadisma Entrementes, 2014.


VENOSA, S. S. Direito civil: direito de família. 14. Ed. São Paulo: Atlas, 2014.


VILLELA, J. B. Desbiologização da paternidade. Revista da Faculdade de Direito da UFMG, n. 21, p. 400-418, 1979.
Copyright (c) 2019 Revista Disruptiva