A mediação online como ferramenta de empoderamento do consumidor ou estratégia utilitarista para redução das demandas de consumo?
PDF

Palavras-chave

Era digital
Consumidor
Resolução de conflitos.
Mediação online.
Empoderamento. Digital age.
Consumer.
Conflict resolution.
Online mediation
Empowerment. Era digital.
Consumidor.
La resolución de conflictos.
Mediación online.
Empoderamiento

Como Citar

Verbicaro, D. ., Ohana, G. ., & Vieira, J. (2020). A mediação online como ferramenta de empoderamento do consumidor ou estratégia utilitarista para redução das demandas de consumo?. Revista Científica Disruptiva, 2(2), 40-62. Recuperado de http://revista.cers.com.br/ojs/index.php/revista/article/view/83

Resumo

O presente artigo, através do método dedutivo e pesquisa bibliográfica nacional e estrangeira, problematiza em que medida a utilização do instituto da mediação online tem possibilitado um exercício mais empoderado do consumidor. Aborda-se, em um primeiro momento, sobre o crescimento ao acesso informacional, o conhecimento da justiça multiportas e das plataformas virtuais de resolução de conflitos como alternativas adequadas aos conflitos consumeristas. Ademais, analisa-se o instituto processual da mediação, na modalidade virtual, elencando-se fatores que encadeiam a reflexão de um exercício mais consciente e empoderado do consumidor ao acesso à ordem jurídica justa, celeridade, baixo custo e manutenção de vínculo saudável entre as partes, em contraposto à subutilização utilitarista Estatal das plataformas como mecanismos meramente pré-judiciais e à infoexclusão de consumidores. O objetivo do presente estudo é analisar sobre a possibilidade de afirmação de empoderamento do consumidor na era digital diante do uso de novas formas de participação cívica, especificamente a mediação online.

PDF

Referências

BARROS, João Pedro Leite. Arbitragem online em conflitos de consumo. São Paulo: Tirant to blanch, 2019.

BRASIL. Lei nº 13.140, de 26 de junho de 2015. Dispõe sobre a mediação entre particulares como meio de solução de controvérsias e sobre a autocomposição de conflitos no âmbito da administração pública [...] Disponível em < http://www.planalto.gov. br/ccivil03/Ato2015-2018/2015/Lei/L13140.htm> Acesso em 04 fev. 2020.

BRASIL. Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Justiça em Números 2019, Brasília: CNJ, 2019.

BAUMAN, Zygmunt. Globalização: as consequências humanas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1999.

BIONI, Bruno Ricardo. A proteção dos dados pessoais: A função e os limites do consentimento. São Paulo: Ed. Forense. 2018.

CAPPELLETTI, Mauro. Os métodos alternativos de resolução de conflitos no quando do movimento universal do acesso à justiça. Revista de Processo, ano 19, nº. 74, p. 82 – 97. São Paulo, abr. – jun. 1994.

CUNHA, Leandro Carneiro da. LESSA NETO, João Luiz. Mediação e Conciliação no poder judiciário e o novo código de processo civil. In: MACEDO, Lucas Baril. PEIXOTO, Ravi. FREIRE, Alexandre (orgs). Coleção Novo CPC – Parte Geral. V. 1. São Paulo: Ed. Juspodivm, 2015.

CURRY, César Felipe. Mediação. In: ZANETI JR, Hermes. CABRAL, Trícia Navarro Xavier. Justiça Multiportas: mediação, conciliação, arbitragem e outros meios de solução de conflito. Coleção Grandes Temas CPC. Coordenação Fredie Didier Jr. Salvador: juspodivm, 2016.

FALECK, Diego. Introdução ao Design de Sistemas de Disputas: Câmara de Indenização 3054. Revista Brasileira de Arbitragem. São Paulo, Ano V, Nº 23. Jul-Set/2009.

FINCATO, Denise Pires. CARPES, Ataliba Telles. A 5ª revolução (industrial) e a volta à humanidade como elemento de disrupção. Revista de Direito do Trabalho. Vol. 209, jan- 2020.

GABBAY, Daniela Monteiro. Mediação de conflitos no âmbito jurídico: o crescimento da mediação empresarial no Brasil. In: Caderno FGV Projetos – Mediação. Rio de Janeiro: FGV. Dezembro 2015. Ano 10. Nº 26. p. 63 – 70.

GAVRONSKI, Alexandre Amaral. Técnicas Extraprocessuais de tutela coletiva. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2010.

GONÇALVES, Caroline Visentini Ferreira; MARQUES, Ricardo Dalmaso. Acesso à ordem jurídica justa nas relações de consumo e a tecnologia: o uso de métodos online de solução de conflitos (ODR) na resolução de demandas de consumo. Jota. São Paulo. 15 mar. 2019. Caderno opinião e análise. Disponível em: https://www.jota.info/opiniao-e-analise/artigos/acesso-a-ordem-juridica-justa-nas-relacoes-de-consumo-e-a-tecnologia-15032019#_ftn2. Acesso em 02 fev. 2020.

KOZLOVSKI, Aline Chamié. O controle da oferta excessiva pelos meios eletrônicos e a velocidade das contratações no mercado de consumo. In: VERBICARO, Dennis; ATAÍDE, Camille; ACIOLI, Carlos. Provocações Contemporâneas no direito do consumidor. Rio de Janeirro: LumenJuris, 2018, p. 115 – 146.

LIPOVESTKY, Gilles. A felicidade paradoxal. Ensaio sobre a sociedade do hiperconsumo. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

LISBOA, Roberto Senise. O consumidor na sociedade de informação. Revista de Direito do Consumidor. vol. 67, jan – mar, 2007.

MAIA, Andrea. A gestão estratégica de conflitos empresariais pela mediação. In: Caderno FGV Projetos – Mediação. Dezembro 2015. Ano 10. Nº 26. p. 104 – 109. Rio de Janeiro: FGV.

MARQUES, Cláudia Lima. Confiança no comércio eletrônico e a proteção do consumidor: um estudo dos negócios jurídicos de consumo no comércio eletrônico. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2004.

MARTINS, Guilherme M. A mediação e os conflitos de consumo. In: ZANETI JR., Hermes; CABRAL, Trícia Navarro Xavier. Justiça multiportas: mediação, conciliação, arbitragem e outros meios de solução adequada de conflitos. Coleção grandes temas do novo CPC. Coordenação geral: Fredie Didier Jr. Salvador: Juspodivm, 2016.

MIRAGEM, Bruno. Curso de Direito do consumidor. 6 ed.. São Paulo, RT, 2016.

MOURÃO, Kadu. Métodos Online de Resolução de Conflitos: o caso europeu e uma análise do contexto jurídico brasileiro. Jusbrasil. Minas Gerais. 06 mar. 2018. Disponível em: https://kadurmourao.jusbrasil.com.br/artigos/552658954/metodos-online-de-resolucao-de-conflitos-o-caso-europeu-e-uma-analise-do-contexto-juridico-brasileiro. Acesso em: 05 fev. 2020.

NALINI, José Renato. É urgente construir alternativas à justiça. In: ZANETI JR., Hermes; CABRAL, Trícia Navarro Xavier. Justiça multiportas: mediação, conciliação, arbitragem e outros meios de solução adequada de conflitos. Coleção grandes temas do novo CPC. Coordenação geral: Fredie Didier Jr. Salvador: Juspodivm, 2017.

NET NEUTRALS PROJECT, Online Dispute Resolution: An International Business Approach to Solving Consumer Complains. Bloomington, IN: AuthorHouse, 2015.

NOGUEIRA, Gustavo Santana. NOGUEIRA, Suzane de Almeida Pimentel. O Sistema de múltiplas portas e o acesso á justiça no Brasil: perspectivas a partir do novo código de processo civil. Revista de Processo. Vol. 276. Fev., 2018.

RULE, Colin. Online Dispute Resolution for Business: B2B, E-Commerce, Consumer, Employment, Insurance, and Other Commercial Issues. San Francisco, Califórnia: Jossey-Bass, 2002.

SALOMÃO, Luís Felipe. O marco regulatório para a mediação no Brasil. In: Caderno FGV Projetos – Mediação. Rio de Janeiro: FGV. Ano 10. Nº 26, Dezembro 2015, p. 30 – 36.

SCHAWAB, Klaus. A quarta revolução industrial. São Paulo: Edipro, 2018.

SOLOMON, Michael R. O comportamento do consumidor: comprando, possuindo e sendo. Tradução Beth Honorato. 11ª edição. Porto Alegre: Bookman, 2016.

SOUZA, Jessyca Fonseca. A confidencialidade na mediação: bases para o procedimento e limites para o ofício do mediador. 2018. 139f. Dissertação (Mestrado em Direito). Universidade Federal do Pará, Belém, 2018.

TARTUCE, Fernanda. Mediação nos conflitos civis. 4ª edição revisada, atual. e ampliada. Rio de Janeiro: Forense, 2018.

WATANABE, Kazuo. Cultura da sentença e cultura da pacificação. In: YARSHELL, Flávio Luiz; ZANOIDE DE MORAES, Maurício. Estudos em homenagem à professora Ada Pellegrini Grinover. São Paulo: DPJ, 2004.

WATANABE, Kazuo. Acesso à justiça e sociedade moderna. In: GRINOVER, Ada Pellegrini; DINAMARCO, Cândido Rangel; WATANABE, Kazuo (Coord.). Participação e processo. São Paulo: RT, 1988.

WATANABE, Kazuo. Acesso à ordem jurídica justa: conceito atualizado de acesso à justiça, processos coletivos e outros estudos. Belo Horizonte: Del Rey, 2019.

VERBICARO, Dennis; ALCANTARA, Ana Beatriz Quintas Santiago. A (in)eficácia do dever informacional nas relações de consumo: como superar a desconfiança recíproca entre consumidores e fornecedores no ambiente pré-contratual. Revista Eletrônica Direito e Sociedade – REDES, Canoas, v. 5, n. 1, 2017.

VERBICARO, Dennis; ATAÍDE, Camille da Silva Azevedo. O crédito como objeto de tensão qualificada na relação de consumo e a necessidade de prevenção ao superendividamento. Revista da Faculdade de Direito da UFRGS, Porto Alegre, n. 36, vol. esp., 2017.

VERBICARO, Dennis; FREIRE, Gabriela Ohana Rocha. O combate ao dumping social no mercado de consumo através do exercício qualificado da liberdade de escolha do consumidor. Revista de Direito, Globalização e Responsabilidade nas Relações de Consumo. Porto Alegre, v. 4, n. 2, p. 1 – 18, jul - dez. 2018.

VERBICARO, Dennis; SILVA, João Vitor Penna; LEAL, Pastora. O mito da indústria do dano moral e a banalização da proteção jurídica do consumidor pelo judiciário brasileiro. Revista de Direito do Consumidor, São Paulo, ano 26, vol 114, nov.-dez, 2017.

VIAL, Sophia Martini. A sociedade da (Des)informação e os contratos de comércio eletrônico. Revista de Direito do Consumidor, vol. 88, 2013.