Ensino jurídico e inteligência artificial
PDF
HTML

Palavras-chave

ensino jurídico
inteligência artificial
transformação digital
reforma curricular e metodológica
diretrizes curriculares legal education
artificial intelligence
digital transformation
curriculum and methodological reform
curricular guidelines educación jurídica
inteligencia artificial
transformación digital
reforma curricular y metodológica
lineamientos curriculares

Como Citar

Santos, R. M. dos, Bastos Júnior, L. M. P., & Morais da Rosa, A. (2021). Ensino jurídico e inteligência artificial: levando a sério a transformação digital nos cursos de Direito. Revista Científica Disruptiva, 3(1), 81-108. Recuperado de http://revista.cers.com.br/ojs/index.php/revista/article/view/98

Resumo

Partindo do pressuposto de que os cursos de graduação em Direito precisam atender a um pressuposto ético fundamental de preparar o aluno para o que ele irá, no futuro, realmente enfrentar, o artigo principia com um resgate histórico da crise do ensino do Direito e de sua permanência na contemporaneidade, seja do ponto de vista dos conteúdos ensinados, seja do ponto de vista das metodologias preponderantemente utilizadas. O argumento central do artigo é que sendo o Direito, em sua essência, uma tentativa de regular boa parte desse mundo da vida hoje fortemente dominado pela inteligência artificial, ao mesmo tempo que ele próprio, no seu modus operandi, é por ela atingido, não podem os cursos de Direito furtarem-se à incumbência de fornecer formação acadêmica que prepare para o que hoje se tem e para o que brevemente se terá. Nesse sentido, adotando uma lógica de construção dedutiva, após discorrer sobre a constante e recorrente crise do ensino jurídico, e de estabelecer a inteligência artificial como um dado do presente e do futuro, este artigo apresenta algumas propostas, sejam no plano conteudístico, sejam no plano metodológico, para uma tão urgente quanto necessária reforma do modo como o Direito é compreendido e, por consequência, ensinado nos cursos jurídicos do País.

PDF
HTML

Referências

MHz entram em promoção. Folha de São Paulo, São Paulo, 19 fev. 1997. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/fsp/1997/2/19/informatica/7.html. Acesso em: 4 jan. 2021.

ANTUNES, Jeferson; NASCIMENTO, Verônica S. do; QUEIROZ, Zuleide F de. Metodologias ativas na educação: problemas, projetos e cooperação na realidade educativa. Informática na educação: teoria & prática, Porto Alegre, v. 22, n. 1, jan./abr. 2019. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/InfEducTeoriaPratica/article/view/88792/52877. Acesso em: 05 maio 2021.

BAETA, Zínia. Advogados enfrentam mercado em queda e alta concorrência. Valor Econômico, Rio de Janeiro, 25 de out. de 2019a. Disponível em: https://valor.globo.com/legislacao/noticia/2019/10/25/advogados-enfrentam-mercado-em-queda-e-alta-concorrencia.ghtml. Acesso em: 09 jan. 2021.

BAETA, Zínia. Mercado saturado no ‘país dos bacharéis’. Valor Econômico, Rio de Janeiro, 25 out. 2019b. Disponível em: https://valor.globo.com/impresso/noticia/2019/10/25/mercado-saturado-no-pais-dos-bachareis.ghtml. Acesso em: 09 jan. 2021.

BACICH, Lilian; MORAN, José. (orgs.) Metodologias ativas para uma educação inovadora: uma abordagem teórico-prática. Porto Alegre: Penso, 2018.

BASTOS JUNIOR, Luiz Magno Pinto. Constitucionalismo para além da constituição: permeabilidade, diálogo e convergência. 1. ed. São Paulo: Tirant lo Blanch, 2019.

BASTOS JUNIOR, Luiz Magno Pinto. Territorialidade, soberania e constituição: as bases institucionais do modelo de estado territorial soberano. Novos estudos jurídicos. Itajaí, v. 19, n. 1, p. 181-200, jan. - abr. 2014.

BENDER, William N. Aprendizagem baseada em projetos: educação diferenciada para o século XXI. Tradução de Fernando de Siqueira Rodrigues. Revisão técnica de Maria da Graça Souza Horn. Porto Alegre, Penso, 2014.

BERGMANN, Jonathan; SAMS, Aaron. Sala de aula invertida; uma metodologia ativa de aprendizagem. Tradução Afonso Celso da Cunha Serra. 1. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2019.

BOEING, Daniel Henrique Arruda; MORAIS DA ROSA, Alexandre. Ensinando um robô a julgar: pragmática, discricionariedade, heurísticas e vieses no uso do aprendizado de máquina no Judiciário. Florianópolis: EMais, 2020.

BRASIL. Conselho Nacional de Justiça. Resolução n° 332, de 21 de agosto de 2020. Dispõe sobre a ética, a transparência e a governança na produção e no uso de Inteligência Artificial no Poder Judiciário e dá outras providências. DJe/CNJ, nº 274, de 25/08/2020, p. 4-8. Disponível em: https://atos.cnj.jus.br/atos/detalhar/3429 Acesso em: 16 jan. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução n° 5, de 17 de dezembro de 2018. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Direito e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 19 de dezembro de 2018, Seção 1, pp. 47 e 48. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/dezembro-2018-pdf/104111-rces005-18/file Acesso em: 15 nov. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Parecer CNE/CES nº 757/2020, aprovado em 10 de dezembro de 2020 – Alteração do artigo 5º da Resolução CNE/CES nº 5, de 17 de dezembro de 2018, que institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Direito. Diário Oficial da União, Brasília, 15 de abril de 2021, Seção 1, p. 580. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=170191-pces757-20&category_slug=janeiro-2021-pdf&Itemid=30192 Acesso em: 05 maio 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução CNE/CES nº 2, de 19 de abril de 2021. Altera o art. 5º da Resolução CNE/CES nº 5/2018, que institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Direito. Diário Oficial da União, Brasília, 23 de abril de 2021, Seção 1, pp. 116. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=181301-rces002-21&category_slug=abril-2021-pdf&Itemid=30192 Acesso em: 05 maio 2021.

CAMPILONGO, Celso; FARIA, José Eduardo. Debate atual sobre reforma do ensino jurídico não é estimulante. Revista Consultor Jurídico, 3 de junho de 2014. Disponível em: www.conjur.com.br/2014-jun-03/debate-atual-reforma-ensino-juridico-nao-estimulante. Acesso em: 22 jan. 2021.

CESARINO JÚNIOR, A. F. O ensino do Direito. Revista da Faculdade de Direito, Universidade de São Paulo, [S. l.], v. 49, p. 180-189, 1954. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/rfdusp/article/view/66205. Acesso em: 4 nov. 2020.

COLARES, Karla Taísa Pereira; OLIVEIRA, Wellington de. Metodologias Ativas na formação profissional em saúde: uma revisão. Revista Sustinere, [S.l.], v. 6, n. 2, p. 300-320, jan. 2019. ISSN 2359-0424. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/sustinere/article/view/36910. Acesso em: 09 abril 2021. doi: https://doi.org/10.12957/sustinere.2018.36910.

COPELAND, Jack. Inteligencia artificial: una introducción filosófica. Traducción de Julio Cesar Armero San José. Alianza Editorial S.A., Madrid, 1996.

CHRISTIAN, Brian; GRIFFITHS, Tom. Algoritmos para viver: a ciência exata das decisões humanas, Trad. Paulo Geiger, São Paulo: Cia das Letras, 2017.

DOWRKIN, Ronald. A justiça de toga. Tradução de Jefferson Luiz Camargo. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2010.

ESTELLITA; Heloísa; LEITE, Alaor. Veículos autônomos e direito penal. São Paulo: Marcial Pons, 2019.

FARIA, José Eduardo. A reforma do ensino jurídico. Revista Crítica de Ciências Sociais. Coimbra, n. 21, p. 45-68, nov. 1986.

FARIA, José Eduardo. A Reforma do Ensino Jurídico. SAFE: Porto Alegre, 1987a.

FARIA, José Eduardo. A realidade política e o ensino jurídico. Revista da Faculdade de Direito, Universidade de São Paulo, [S. l.], v. 82, p. 198-212, 1987.

FERRARI, Isabela (org.). Justiça digital. São Paulo: RT, 2020.

FREITAS, Maria Teresa. Letramento digital e formação de professores. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 26, n. 3, p. 335-352, Dez. 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-46982010000300017&lng=en &nrm=iso. Acesso em: 08 abril 2021. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-46982010000300017.

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS. Centro de Inovação, Administração e Pesquisa do Judiciário (CIAPJ). Inteligência artificial: tecnologia aplicada à gestão dos conflitos no âmbito do Poder Judiciário brasileiro, Conjur, 2020a. Disponível em: https://www.conjur.com.br/dl/pesquisa-mostra-tribunais-vem-ampliando.pdf Acesso em: 31 jan. 2021.

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS. Exame de ordem em números, 2020. Conjur, v. 4, 2020b. Disponível em: https://www.conjur.com.br/dl/exame-ordem-numeros1.pdf. Acesso em: 9 mar. 2021.

FUNDAÇÃO PADRE ANCHIETA. Roda Viva com Yuval Harari. São Paulo: [s.n.], 11 nov. 2019. 1 vídeo (83min). Publicado pelo canal Roda Viva. Disponível em: www.youtube.com/watch?v=pBQM085IxOM. Acesso em: 12 dez. 2020.

GHIRARDI, José Garcez (coord.). Avaliação e métodos de ensino em direito. Cadernos DIREITO GV. São Paulo: DIREITO GV, v. 7, n. 5, set. 2010

GHIRARDI, José Garcez (coord.). Metodologia de ensino jurídico no Brasil: estado da arte e perspectiva. Exposições, debates e relatos do Workshop Nacional de Metodologia de Ensino. Cadernos DIREITO GV. São Paulo: DIREITO GV, v. 6, n. 5, set. 2009.

HARARI, Yuval Noah. 21 lições para o século 21. Tradução de Paulo Geiger. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

HARARI, Yuval Noah. Homo Deus: uma breve história do amanhã. Tradução de Paulo Geiger. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.

HARARI, Yuval Noah. Sapiens: uma breve história da humanidade. Tradução de Janaína Marcoantonio. 51. ed. Porto Alegre, RS: L&PM, 2020.

HORN, Michael B.; STAKER, Heather. Blended: usando a inovação disruptiva para aprimorar a educação. Tradução de Maria Cristina Gularte Monteiro. Revisão técnica de Adolfo Tanzi Neto e Lilian Bacich. Porto Alegre: Penso, 2015.

LACERDA, Flávia Cristina Barbosa; SANTOS, Letícia Machado dos. Integralidade na formação do ensino superior: metodologias ativas de aprendizagem. Avaliação (Revista de Avaliação da Educação Superior). Campinas, Sorocaba, v. 23, n. 3, p. 611-627, dez. 2018. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-40772018000300611&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 09 mar. 2021. doi: https://doi.org/10.1590/s1414-40772018000300003.

MITRE, Sandra Minardi et al. Metodologias ativas de ensino-aprendizagem na formação profissional em saúde: debates atuais. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 13, supl. 2, p. 2133-2144, dez. 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232008000900018&lng =en &nrm=iso. Acesso em: 09 mar. 2021. doi: https://doi.org/10.1590/S1413-81232008000900018.

MORAIS DA ROSA, Alexandre. A questão digital: o impacto da inteligência artificial no Direito. Revista de Direito da Faculdade Guanambi, Guanambi, v. 6, n. 02, e259, jul./dez. 2019. Disponível em: http://revistas.faculdadeguanambi.edu.br/index.php/Revistadedireito/ article/view/259. Acesso em: 10 abril 2021. doi: https://doi.org/10.29293/rdfg.v6i02.259

NIEVA-FENOLL, Jordi. Inteligencia artificial y processo judicial. Madrid: Marcial Pons, 2018.

PICCOLI, Ademir Milton. Judiciário Exponencial: sete premissas para acelerar a inovação e o processo de transformação do ecossistema da justiça. São Paulo: Vidaria Livros, 2018.

RAMOS, Andrea. Scania terá caminhão autônomo sem cabine no Brasil em 2023. Estadão, São Paulo, 11 set. 2020. Disponível em: https://estradao.estadao.com.br/caminhoes/caminhao-autonomo-nivel-4-scania Acesso em 03 fev. 2021.

RUSSEL, J. Stuart; PETER, Norvig. Inteligencia artificial: un enfoque moderno. Segunda edición. Pearson Educación S.A., Madrid, 2004.

SOBRAL, Fernanda Ribeiro; CAMPOS, Claudinei José Gomes. Utilização de metodologia ativa no ensino e assistência de enfermagem na produção nacional: revisão integrativa. Revista da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, v. 46, n. 1, p. 208-218, fev. 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0080-62342012000100028&lng =en&nrm=iso. Acesso em: 09 mar. 2021. doi: https://doi.org/10.1590/S0080-62342012000100028.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO. Estrutura Curricular. Maranhão: UFMA, 1970. Disponível em: https://sigaa.ufma.br/sigaa/link/public/curso/curriculo/20565232. Acesso em: 08 fev. 2021.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO. Estrutura Curricular. Maranhão: UFMA, 2015. Disponível em: https://sigaa.ufma.br/sigaa/link/public/curso/curriculo/15474654. Acesso em: 08 fev. 2021.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2021 Array